arrow_drop_down
A corrida da comparação de filhos

A corrida da comparação de filhos

“Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe” (Salmos 139.13).

O ser humano é competitivo. Parece que estamos sempre tentando provar algo para as pessoas ou superá-las de alguma forma. Uma coisa comum é levar essa rivalidade para a criação de filhos, querendo apressá-los em seu desenvolvimento porque o filho do fulano falou com “x” meses, andou com “y” meses, come tal quantidade de comida etc.

Nos sentimos pressionados a entrar na “corrida da comparação de filhos” quando, na verdade, não há prêmio nenhum nisso. Apenas frustração para os pais e pressão para as crianças. A comparação é um dos maiores males da nossa sociedade - que sempre se impressiona com a vida alheia e despreza a própria realidade. 

Comparar-se ou comparar os filhos é injusto, pois cada pessoa é diferente uma da outra. O versículo acima diz que Deus nos teceu (tarefa que exige planejamento e que é feita de forma detalhada). Nós somos obras artesanais e não de produção em escala. Deus não errou quando criou o seu filho, pois Ele nunca erra.

Cada pessoa foi feita de forma diferente para cumprir propósitos diferentes

A minha filha tem um temperamento “mais forte” do que a maioria das crianças que eu conheço. E desde que eu percebi isso, ao invés de querer que ela seja diferente comecei a liberar palavras proféticas sobre o seu futuro que envolvam essa característica. Por exemplo: “Senhor, eu profetizo que a Elis terá a determinação que necessita para cumprir seu propósito, ela liderará com ousadia e coragem, profetizo que sua boca e inteligência servirão para marcar sua geração e que ela se manterá firme em sua missão, mesmo que outras propostas a cerquem”, e por aí vai. 

Olhe para as características peculiares de seus filhos e se pergunte: como Deus pode usar isso? Depois coloque esses propósitos em oração. Isso muda a nossa ótica de que “tem algo errado com os nossos filhos”. É óbvio que os excessos não devem ser permitidos. No meu caso, não deixo que minha filha me lidere, mas desenvolvo essa habilidade dela de outras maneiras. 

Se você tem mais de um filho, cuidado para que as comparações não venham de dentro da própria casa

Muitos adultos carregam um sentimento de incapacidade e inadequação porque “nunca foram bons como os irmãos”. Comentários do tipo: porque você não faz como seu irmão?; seu irmão é tão obediente/ inteligente/ comportado, você devia ser como ele; são extremamente prejudiciais para a construção da identidade do indivíduo. Entenda que, mesmo que seus filhos venham dos mesmos pais, e sejam criados da mesma maneira, manifestarão comportamentos diferentes, e isso deve ser visto como uma bênção (pois Deus enriqueceu a sua casa com qualidades que outros não tem) e não como um peso.

Devemos levar esse ensinamento para a forma como vemos as outras crianças também. Quando estiver conversando com uma mãe sobre o desenvolvimento dos filhos e perceber que ela tem uma preocupação em alguma área, não use isso para “promover o seu filho” e mostrar o quanto ele é maravilhoso por já ter conseguido superar alguma etapa. Ao invés disso, mostre empatia e não inicie a corrida da comparação. Diagnósticos devem ser dados pelo médico, e a menos que você tenha uma relação muito íntima com a outra pessoa ou ela te dê uma abertura clara para ouvir conselhos, não diga que o filho dela “pode estar atrasado”, nem que ele “pode ter essa ou aquela doença”. Isso, na maioria das vezes, gera preocupação ou angústia desnecessária, e a outra mãe pode ficar muito chateada com o seu comentário.

Gosto de uma frase atribuída a Einstein (embora haja controvérsias sobre ele mesmo ser o autor) que resume bem o que estamos tentando refletir hoje:

“Todo mundo é um gênio. Mas, se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em uma árvore, ele vai gastar toda a sua vida acreditando que é estúpido.”

Seu filho é único. Valorize isso. Fortaleça os seus pontos fortes, ajude-o a vencer os pontos fracos, mas nunca duvide que Deus o criou para cumprir uma missão nessa terra - e sua personalidade, habilidades e paixões apontam para esse destino. Ajude-o a chegar lá. Profetize, ore e encoraje-o, não entre na corrida da comparação.  

Ore comigo!

“Senhor, obrigada por me criar da forma como eu sou. Eu sou especial e maravilhosa, pois tudo o que o Senhor faz é bom. Agradeço também por me presentear com uma criança tão incrível, com habilidades e caraterísticas únicas que serão usadas para cumprir o seu propósito nessa terra. Que o Senhor me encha de sabedoria para ajudá-la a chegar no destino que o Senhor planejou. Eu a abençoo e profetizo um futuro de conquistas e alegria”. 

:: Junnia Rodrigues

Junnia é mãe da Elis, e apaixonada pelo universo da maternidade e criação de filhos. Esposa do Pr. Lucas Rodrigues, Psicanalista e Coach Infantil. Atuantes na Lagoinha Santa Efigênia, em Belo Horizonte.

Foto: unsplash