arrow_drop_down
Artigo: Mentes renovadas para transformar

Artigo: Mentes renovadas para transformar

Em Ezequiel 37, o Senhor leva o profeta a um vale cheio de ossos secos. Um lugar inóspito, sem vida, sem movimento, seco, sem fôlego de vida. Tão logo o profeta Ezequiel se depara com aqueles ossos secos, o Senhor pergunta: “Poderão viver estes ossos? E eu disse: Senhor Jeová, tu o sabes. Então me disse: Profetiza sobre estes ossos e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a Palavra do Senhor”, (Ez 37:3 e 4). 

No decorrer do texto, o Senhor diz que os ossos representam toda a casa de Israel, apresentando a divisão entre eles, Reino do Norte e Reino do Sul, duas nações, Judá e Efraim. Assim, o Senhor dá ordem a Ezequiel para fazer um ato profético, no qual se uniam dois pedaços de madeira representando os dois Reinos de Israel. Então, Ele chama o povo de Israel para se tornar apenas UM em suas mãos. Ele diz: ”farei deles uma nação na terra”, (Ez 37:22). Interessante observar que o Senhor fala da divisão entre o seu povo e os chama à unidade. 

Semelhantemente ao olhar para o alfabeto, as letras soltas e espalhadas, se considerarmos apenas uma delas separada das demais não há comunicação, informação, palavra ou frase, é simplesmente uma letra. Mas, quando ela se une a outra e assim por diante, várias mensagens podem ser transmitidas e anunciadas. Da mesma forma, pode-se olhar para cada osso seco da passagem de Ezequiel como uma letra perdida que secou em meio àquele vale.

Ao parar e observar o que tem acontecido nesses dias em nosso país com a polarização política e divergências ideológicas que permeiam a sociedade cabe-nos refletir o que isso tem gerado em nós. Será que esses tipos de divergências e defesas de ideologias estão provocando alguma divisão no meio da Igreja? 

As discordâncias acontecem, pois Deus nos fez diferentes, cada indivíduo é singular e único, todavia, discordar não é dividir. No corpo de Cristo todos têm sua importância e propósito, cada um com sua função e dom, como Paulo bem descreve em Romanos 12.

Interessante que antes de falar sobre o corpo de Cristo, nesse mesmo texto (Rm 12) Paulo convoca os irmãos a prestarem um culto racional a Deus, ou seja, o Senhor requer de nós não apenas o coração, mas a mente. No versículo 2 desse mesmo capítulo, está escrito para a Igreja: “não se amoldem ao padrão do mundo, mas transformem-se pela renovação da vossa mente”. Nesse texto é bem claro que a renovação da nossa mente não se dá conforme os padrões e mudanças do mundo, pelo contrário, a transformação deve começar em nós, de dentro para fora e, então, impactarmos a sociedade a nossa volta. É preciso renovar a mente por meio da Palavra de Deus, que é imutável.

Há uma “guerra” travada no campo das ideias que requer de nós não argumentos evasivos, mas cheios de vida, porque a Igreja possui armas que não são humanas, carnais, mas poderosas em Deus para destruir fortalezas, como está escrito em II Coríntios 10:4.

Assim como o vale de ossos secos e cada letra de um alfabeto precisam de unidade para manifestar palavras e pensamentos em ações de um grande exército, a Igreja precisa estar unida. Em João 17:20-23 Jesus nos fala para sermos um, pois,  dessa forma, o mundo irá crer Nele. No verso 23 diz: “Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim”. 

Não podemos deixar que as discordâncias nos afastem e gerem divisões em nosso meio, mas que venham nos aperfeiçoar em amor, pois, “assim como o ferro afia o ferro, assim o homem afia seu companheiro”, Pv 27:17. “Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou. Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito”, Cl  3:12-14.  

Que não nos enganemos por pensamentos, ideologias e discursos que não se fundamentam no evangelho. Os princípios da palavra de Deus nos transformam em pessoas melhores a fim de impactar nossa sociedade. Diante disso, vale refletir se a manifestação de nossos pensamentos tem gerado unidade ou divisão, se nossos posicionamentos refletem a luz da verdade e se nossas palavras tem promovido mudanças de dentro pra fora. 

Que possamos fluir juntos no Espírito, tendo em nós a mente renovada que gera o verdadeiro arrependimento, palavra esta que no grego é metanóia e significa “mudança de mente ou na maneira de pensar”. Desta forma, uma Igreja unida, com a mente renovada, fluindo no Espírito Santo, semeando a verdade poderá sim impactar a sociedade e chamar as pessoas ao arrependimento. Como Jesus falou ao iniciar seu ministério: “arrependei-vos, pois é chegado o Reino dos Céus” (Mt4: 17b).

Que a palavra ministrada pelo profeta Ezequiel venha ao encontro dos nossos corações no dia de hoje: “Ouvi a Palavra do Senhor” (Ez 37:4), e o Espírito Santo se manifeste como vento a soprar vida em nossos pensamentos, para que juntos possamos formar palavras que nos unam e nos façam “uma nação” nas mãos do Senhor. Dessa maneira, formaremos um poderoso exército do Deus vivo que virá com poder para transformar nossa nação.


::Karine Amorim de Andrade Said – Grupo de Ação Política - GAP